Equipe da Wetlands International Brasil faz saída a campo para o Território Indígena Kadiwéu

Inicio » Noticias » Reservas de agua disponibles desde las montañas hasta el mar » Ríos y lagos » Equipe da Wetlands International Brasil faz saída a campo para o Território Indígena Kadiwéu
Noticias

A viagem tem como objetivo revisar o Plano de Vida do Território Indígena Kadiwéu juntamente à comunidade e acompanhar a oficina de planejamento do viveiro de mudas nativas.

Equipe da Wetlands International Brasil a caminho do Território Kadiwéu no dia 08 de outubro.

Na sexta-feira (08/10), a equipe da Wetlands International Brasil se deslocou para o Território Indígena Kadiwéu, localizada quase em sua totalidade no município de Porto Murtinho, a fim de realizar uma revisão do Plano de Vida do Território Indígena Kadiwéu, que teve como metodologia na sua construção as orientações fornecidas pela Funai para elaboração de Planos de Gestão Territorial e Ambiental em Terras Indígenas. O Plano de Vida foi construído em 2019, pela comunidade sob facilitação da Wetlands International.

O trabalho foi desenvolvido em cinco etapas: Sensibilização e Mobilização, Diagnóstico, Planejamento, Execução, Monitoramento e Avaliação. Atualmente, a equipe do Programa Corredor Azul retorna ao território para avaliar a implementação do plano.

Para Lilian Pereira, coordenadora do componente Modos de Vida do Programa Corredor Azul, essa etapa será uma atualização das ações que a comunidade deseja para o território. “Revisar o plano de vida é uma maneira de se voltar as questões ambientais do território, bem como sua dinâmica territorial. Dada às circunstâncias hoje vividas no país, momentos como esse fortalece e empodera as comunidades e direciona para ações no futuro.

Ação no Viveiro de Mudas

Nos dias 09 e 10 de outubro foi realizado uma oficina na Aldeia Alves de Barros sobre coleta de mudas e sementes que farão parte do viveiro, já existente na comunidade. A oficina contou com a participação de professores e da Associação de Brigadistas Indígenas da Nação Kadiwéu – ABINK. O primeiro módulo teve etapas conceituais e práticas de como realizar a coleta, armazenamento e identificação das sementes na comunidade local.

O viveiro de mudas foi idealizado no ano de 2020 pela ABINK com a finalidade de recuperar áreas de nascente do córrego Campina.

Em breve, mais atualizações da saída a campo da Wetlands International Brasil no Território Kadiwéu.